24 outubro 2006


Sábado á tarde. 5a avenida, central park num dia frio de outono.

15 outubro 2006


Bem... o Inverno chegou á cidade. E não de mansinho, mas de uma forma frontal e directa como quem diz: "olá, lembram-se de mim? " De t-shirts e camisolinhas de alças que usei ainda a semana passada , olho agora para o cachecol e para o meu "edrondon portátil" esquecidos no armário desde o ano passado. Já? E aquela roupinha intermédia? Não está aqui a falhar nada?
Pelos vistos não. E o cachecol e o edredon já souberam muito bem para enfrentar a rua ontem.
Chama-se Outono. Porque estamos em Outubro, porque as aulas começaram há um mes, porque já não faz calor. Mas este daqui é diferente. É frio.

Hoje ligaram o aquecimento cá em casa. E é o começo de uma jornada que só deve acabar lá para meados de Abril. Confesso que já sentia saudades de uma aragem fresca. Como sinto de tudo o que já não vejo há algum tempo. Como me acontece em todos os finais de uma estação. Mas sei que isto passa depressa.

Olha, que venha. que remédio..

Perdida de um lado para o outro, entre linhas de metro e percursos rotineiros, vejo-me de repente numa parte diversa da cidade onde já não vou há algum tempo. E lembro-me de olhar para cima..
outras vezes...para baixo.

11 outubro 2006


Por onde passo, e de quem me lembro.
Todos os dias.
Que seja o primeiro de muitos!

09 outubro 2006

A escola começou há cerca de um mês. Vêem-se mais crianças em N.Y.
Mas mais incrível que a presença de crianças em NY, é assistir á presença de dezenas de pais que acompanham os filhotes em tais andanças.
Todos os dias de manhã a caminho do metro , me deparo com o mesmo cenário. Ou antes, com as mesmas personagens. Todas elas a caminho do school bus que fica no final da rua. O tipico americano gordo com o pequeno filho obeso , ambos de sandes na mão , a mexicana pequena , escura e redondinha com a sua filha pequenina escurinha e redondinha, a indiana de trajes típicos e as duas filhas rigorosamente trajadas, o chinês a ler o jornal enquanto caminha e o filho 3 passos atrás atento a tudo.
Já na cidade, á porta de duas escolas primárias aglomeram-se os papás babados e por ali permanecem em amena cavaqueira como se não tivessem um dia de trabalho pela frente..
Talvez seja só impressão minha, ou o facto de trabalhar numa zona com duas escolas primárias e de viver perto de uma paragem de um school bus, me esteja a atrofiar a vista.. Mas parece-me que nem em Portugal isto se passa. Sim , eu tb tenho pai que me levava á escola. Mas de carro. E bem bom!!
É esta proximidade que torna NY tão unica...fria e impessoal ás vezes, e outras vezes tão proxima e familiar.
Escusado sera' dizer: -a rotina tem-me apanhado ultimamente.