09 abril 2008

Oh...isto esta´muito mau...

Oh..isto esta´muito mau...
Provavelmente a frase que mais ouvi aqui desde que cheguei a Portugal.
Confesso que depois de dois anos ausente alimentava a sincera esperança que "as coisas" não estivessem tão más...ou antes...que não ouvisse essa frase tantas vezes...ou pelo menos que as pessoas que encontro sorrissem mais para a vida e não se queixassem tanto. Não..
Julgo que a situação de pessimismo e de perda de entusiasmo e esperança está pior que antes...
Não será um apenas diz por dizer? Por mero hábito? Por mera desgraçada caracteristica intrínseca aos portugueses? Como não soubessem reagir de outra forma e dar a volta por cima?
Não será parte de um sistema que as leva a reagir dessa forma? Telejornais dramáticos que exploram o coitadinho e o drama alheio? Talk-shows pindéricos que focam a vizinha da vizinha que perdeu tudo e chora desalmadamente em frente a uma assistência de reformados que so´esta´ali para ganhar uns trocados no final do dia?
A TV americana apesar de tudo não era melhor. E ate´o mendigo sorria quando eu o ignorava na rua. Recordo muitas vezes um episódio que assiti na Union Square em NY quando um jornalista perguntava a um mendigo se alguma vez imaginava que iria acabar a vida assim e se estava orgulhoso disso, ao qual este responde: sim! estou feliz e vivo feliz. Nao vejo melhor objectivo de vida! Aquilo impressionou-me de facto.
Mas voltando a Portugal. Ainda não consegui avaliar se "as coisas" de facto estão tão negras quanto as pintam. É verdade que parecem não existir grandes oportunidades de trabalho, apesar de grande parte dos meus colegas estarem ja´com escritório próprio e casa própria (coisa que terei daqui a uns 20 anos porventura...). Veste-se cada vez com mais primor. Conduz-se carros cada vez mais modernos. Mas as dívidas amontoam-se,os créditos acumulam e os clientes não pagam. Que falsa aparência e´então esta? Vive-se bem apesar de tudo. Ha´esplanadas com finos e tremoços a 50 centimos. Anda-se demasiado de carro. Os transportes e os bens essenciais estão estupidamente caros. Gasto de tlm quase tanto como gastava la´e ganha-se 1/3 .Nada que não saibamos ja´.
Entre estas dicotomias e sem alargar mais e procurar chegar a alguma conclusão se e´que esta existe, eu ca´vou andando ao sabor da mare´...indo onde a oportunidade surge. Sem casa, carro...de mochila ás costas e de mão dada a um companheiro de viagem. Até nos cansarmos.

16 comentários:

sushi lover disse...

se queres q te diga tb n entendo esse lamento contínuo, como se as pessoas n tivessem controlo sobre a sua própria vida e n pudessem fazer nada para a mudar.

e é como dizes, queixam-se mas toda a gente compra casa, carro, etc e n está disposto a reduzir o q seja nos seus hábitos de consumo.

e essa ideia provinciana, do lá fora é q é!

n posso c esse espírito e tenho vontade zero de o encontrar assim que sair de Tóquio.

Está nas nossas mãos e cabeça mudar isso seja por:
1. n o fazermos
2. n o ouvirmos

Ignora e sê feliz à tua maneira.

De qq maneira já vais para outras paragens, certo?

boa sorte

alice disse...

concordo com o comentário ali em cima :)

Não, as coisas não estão assim tão mal, mas é uma espécie de 'pescadinha de rabo na boca'.
Há coisas estruturais que estão definitivamente erradas, e toda a gente sabe, mas ninguém está disposto a fazer nada para o mudar, e a situação perpetua-se.

Depois, essa 'insatisfação' tb tem a ver com a ilusão de que têm direito a ter tudo sem fazer nada - como se a própria vida lhes devesse isso!!

Para mais, tb concordo que é uma visão provinciana das coisas dizer que 'lá fora é q é bom'.
Portugal é um bom sítio para viver em muitos, muitos aspectos - depende apenas do que procuras na vida! Por essa mesma razão é que conheço muitos estrangeiros que se mudaram para cá e dizem que não sabemos apreciar o que temos.

Susana, tu tens os pés no chão e o companheiro de viagem perfeito, o que é que pode correr mal?

beijinho, beijinho.

Joana disse...

Vou ja mandar este post a minha mae, a quem eu tento constantemente contrariar a visao pessimista da vida (dentro e fora de Portugal), mas esta' tao entranhado que e' dificil...

O que acho engracado e' que todos os que se queixam dos que teem poder para mudar algo, um dia quando chegam aos mesmos cargos que lhes permitem fazer as mudancas, esquecem-se das suas proprias queixas e nao fazem nada pra mudar o que esta' errado pois ja' teem a vida deles garantida.

desculpem a falta de acentos. Computadores americanos.

Carla disse...

100% de acordo! Enquanto a "nossa gente" pensar que e' o Estado que lhes tem de dar tudo as coisas nao andam para a frente. Acho mesmo que somos um povo de lamurias. No entanto, sou optimista e tenho a certeza que a nossa geracao (catalogada previamente como rasca) ira' marcar a diferenca.

Adorei a ultima frase do teu post! Ai o amor :-)))))

p s disse...

diz que sim que o País anda assim.
Ou melhor, o país não, o ânimo.

Eu, que tb estou fora desse canto à beira mar plantado, há coisa de 3 anos, mais coisa menos coisa, e vou ouvindo que está mal, que não está bem, que pior não pode ficar, enfim, todo esse agregado de adjectivos pessimistas e vou chegando à conclusão que não mudará, enquanto as mentes não se tocarem que tudo depende delas.

Lembro-me de ouvir o governo, quando ainda estava por aí, proferir verborreias no sentido da desgraça - é o estado da nação, e tão cedo não se recuperará - diziam eles enquanto se coibiam do sentimento de culpa.

Andr3 disse...

Sinceramente nem sei bem o que te diga, além de que Gostei de ler este teu post!
Apesar de não ter sido de um assunto muito animador, mas deu p ver que ja te enteiraste bem no ambiente Tuga. As causas que focaste são muita da ajuda para o pessimismo; a Tv sem alimento cultural ou social, e a sucessiva passagem de informação sobre o desastre e o desespero alheio em tudo ( pessoas, desemprego, desastres, más perspectivas..sei lá).
Essa tua forma de viver talvez seja a melhor, a de tentares a sorte onde ela esteja, mas ha pessoas que ja tentaram atingir certos objectivos por cá, e estão agarrados a isso; Quer se queira ou não e torna-se por vezes dificil sair, ou medo em arriscar/iniciar algo.
Tenta-se talvez ter uma visão positiva, até porque a vida somos nós que a fazê-mos, mas isso é qdo o ambiente envolvente ajuda.
Seja..é isso mesmo, tentar estar mais além do que a ideia geral e tentar viver ao sabor da vontade!

cc disse...

Caramba tanta revolta… olha lá, não terás esquecido aqueles que têm gabinete próprio e carro velho e casa alugada, que mantêm um gabinete à custa do muito esforço de um casal e da muita esperança que resulte bem? O caminho escolhido não é nada fácil de percorrer, mas acreditamos que pode valer muito a pena e pelo menos não se é explorado.

O medo de arriscar, esse sempre existiu e ainda anda bem presente as nossas mentes, mas arriscámos! Mas de forma alguma tenho a pretensão de julgar quem não tem a coragem de o fazer…

Deixa que te faça uma pergunta: não terá sido, também, porque “Oh… isto está muito mau...” que arriscaste o desconhecido? Ou será que todos os que partem do seu país o fazem apenas pelo prazer da aventura? Hum não me parece! Nós arriscamos o desconhecido, mas fizemo-lo por cá! E se um dia chegarmos à conclusão que mais valia não termos conhecido esse desconhecido, temos sempre a possibilidade de partir também (nunca pelo prazer da aventura). Mas pelo menos esgotamos todas as possibilidades com todas as nossas forças.

No entanto, até acho que tens razão em algumas coisas: não falta quem se queixe de braços cruzados e quem viva para as aparências! Por outro lado, também acho que existem de facto motivos para se achar que “… isto está muito mau...”. Se assim não fosse, não aconteceria o que dizes “Os transportes e os bens essenciais estão estupidamente caros. Gasto de tlm quase tanto como gastava la´e ganha-se 1/3 .”

O que é preciso é não baixar os braços!

Dan disse...

Caramba tanta revolta...ó CC!!! Já não é a primeira vez que um dos textos do C. Vermelho atinge qq ponto nervoso. Apesar de nao entender a relação entre o comentario geral (e preciso, diga-se)do texto e alguma situação do foro particular e pessoal posso apenas corroborar aquilo q foi dito: 1-"...isto está muito mau...", foi o ambiente de encontramos por cá; 2-A televisão cada vez mais decadente, onde as novelas que começam às 4 da tarde e acabam à 1 da manha-são o escape fantasista à realidade do dia a dia; 3-Que continua a ver cada vez mais carros de alta gama (i.e) e um bom estilo de vida que não se articulam com o discurso sobre a vida em portugal.
De duas uma: ou está errado o discurso, ou está errado o tipo de vida! Isto são generalidades!
Será a "ressabiagem" porventura uma caracteristica cada vez mais presente nos portugueses?

ss disse...

CC:Depois de ler e reler o que escrevi continuo sem perceber como é que te pudeste sentir afectada de alguma forma com o meu comentário. Não menciono nem traduzo algum sentimento de revolta. Não estou aqui a criticar nem gregos nem troianos e muito menos amigos a quem sei dar valor. Sempre apoiei quem investe em si próprio, quer seja dentro ou fora do país. Nunca fiz propaganda a fora ou dentro porque não existem situações ideais em lado algum.
Revolta? Honestamente pela minha parte não a sinto.
E gostava de sentir o mesmo em relação a ti.

cc disse...

:-(

clubefashion disse...

parabéns pelo blog

Nuno disse...

mal por mal, como diz a minha avo Critina e passo a citar o que ela me diz, porque a experiencia da vida conta:

"para andares a bater com os tomates na lage mais vales estares aqui ao pe de nos"

Nao ha lugares perfeitos, a nossa casa sempre sera onde crescemos e' la que nos sentimos bem.

My two cents (de Euro), depois de 3 anos em NY

elisabete duarte disse...

Bem, e' a minha vez! Escolhi vir para fora um dia e se nao o fizesse culpar-me -ia a vida toda por nao ter tentado. Nao foi porque o pais estava uma desgraca, mas tambem foi porque talvez encontrasse um mundo que sempre sonhei e como tal nunca realmente existiu. nao interessa. A experiencia vale tudo, dentro fora, aqui, ali, sos ou acompanhados. Sejamos felizes onde for , antes de mais cada um tem que estabelecer as suas prioridades e como serao felizes, lutar por elas seja onde for. Se a maior felicidade e' estar em casa mesmo que esta se esteja a afundar que se fique em casa, se for a aventura e o desconhecido que se parta a' procura do que se quer. Mas nao se lamentem, lutem apenas. So se esta mal quando se quer, reconheco que se podiar estar melhor, que ja houve melhores dias e que tambem ja os houve muito piores e parece que a memoria e' curta, no entanto ca fica a frase batida: "quem esta mal, que se mude"!

elisabete duarte disse...

deixem-me acrescentar ... adoro posts polemicos!fazem-nos pensar e falar! ... e, quem sabe, agir!

Nuno Gomes Lopes disse...

não é 'e de perca de entusiasmo' mas sim 'e de perda de entusiasmo'. Nuno Gomes, o corretor ortográfico preferido dos portugueses (sim, eu sei, 'corretor' é com 'c')

ss disse...

A todos os meus amigos correctores ortográficos, aqui fica o update.
;)