20 março 2006

o espírito americano

O espírito americano foi exaltado de forma estonteante este fim de semana em Mineola no : circo!
Sim! Fui convidada para ir ao circo! E enganem-se aqueles que imaginam á priori uma tenda redonda multicolor rodeada por roulotes de camelos e tigres enjaiolados.
O circo, aqui é " á grande!". Tal como tudo o que os americanos fazem.
O local da exibição do "Maior espectáculo do Mundo" situava-se no coliseu de Mineloa, onde vi alguns cartazes a enunciar um concerto dos coldplay como o próximo espectáculo a decorrer.
O coliseu, típico contentor industrial, enorme, acolhe os inúmeros espectadores ( na maioria muidos de 6 anos de idade) com seguranças monidos de detectores de metais.! ( a imagem da cara da miudinha que estava ao meu lado na fila, quando lhe passaram o detector é indescritivel e há-de ficar gravada por algum tempo na minha memória..tadinha da moça...).
Segue-se uma galeria interior caótica de bares e venda de amuletos relacionados com o evento.
É incrível a quantidade de produtos "alimentícios" que se adquirir antes de entrar na sala de espectáculos: desde pipocas, a algodão-doce (cooton-candy) a caixinhas de papelão com; batatas fritas, hotdogs, hamburgers, gelados, chocolates, granizados multicoloridos dentro de embalagens-boneco...(uma penarfelália tal que me encheram a vista com coisas nunca vistas antes: para mim o circo começou bem antes!! de tal maneira que eu e a beta nos mal direccionámos e nos perdemos do resto do pessoal..).
Já no sítio certo, o meu queixo caiu de incredibilidade...O pavilhão era pura e simplemente ENORME. Pareceu-me o dobro do Pavilhão Atlântico em Lisboa! Altíssimo! Pela primeira vez na minha vida eu vi os trapezistas no circo de cima para baixo...
E o maior espectáculo do mundo começou com uma americana vestida com um traje ilustrativíssimo do espírito americano , com riscas e estrelas azuis , brancas e vermelhas , a cantar precisamente: o hino! Toda a gente se levanta e quase de lágrima no olho , cantam de mão ao peito perante um espectáculo fantástico de luzes . Escusado será dizer que houveram pelo menos duas moças que não se levantaram: a beta e eu (que me posicionei numa estranha posição entre o sentar e o levantar, procurando não ofender ninguem mais susceptivel..). Este foi o auge do americanismo que senti desde que cheguei.
O circo no fundo desenrolava-se a partir de um ecran gigante que contava uma história e a ia adequando aos espectáculos demostrados em "arena". Tudo muito bem sincronizado, com imensa gente em palco sempre a dançar e a cantar...um verdadeiro misto de musical americano e malabarismo circense. Porreiro! Só faltaram os tigres e os leões, o mágico, a mulher de barba........etc etc....

1 comentário:

An Jo disse...

Concluindo, o circo aí nao passa de mais um espectaculo de merchandise. O eesencial, não tem.